Evangelho de João Jo 1:1-18 Jo 1:19-39 Jo 1:35-51

Evangelho de João

Os três primeiros evangelhos são chamados de sinóticos, apresentam uma perspectiva comum devido ao alto grau de semelhanças entre Mateus, Marcos e Lucas em suas apresentações do ministério de Jesus. Semelhanças que envolvem estrutura, conteúdo e enfoque. Esses três evangelhos são mais movimentados, descrevendo muitos acontecimentos, maior número de sinais, milagres e pregações. Por sua vez, João é mais intimista, mais contemplativo trazendo maiores diálogos.

O Evangelho de João pode ser visto como uma espécie de meditação, que visa despertar e alimentar a fé em Jesus Cristo. Para João, Jesus é o enviado de Deus, aquele que revela o Pai aos homens. A revelação de Deus em Jesus coloca o mundo em julgamento. Diante da luz da revelação, surge o esclarecimento da vida humana: os que vivem conforme a vontade de Deus, aproximam-se de Jesus e o aceitam.

Características do Autor

Judeu: os debates entre Jesus e os líderes religiosos em Jerusalém sobre as questões mais delicadas da interpretação que os judeus faziam da lei, registradas nos capítulos centrais do evangelho, não eram fáceis de se entender ou registrar naquele tempo por um autor que não fosse judeu.

Testemunha Ocular: presenciou o que escreveu conforme Jo 19:35; 21:24; 13:23; 19:26; 20:2-10.

Data

O período de escrita do livro foi de 70 DC (queda de Jerusalém) até 95 DC. A data mais provável é cerca de 85 DC, após os outros evangelhos terem sido escritos.

Propósito

Jo 20:30,31: 30 Jesus, na verdade, operou na presença de seus discípulos ainda muitos outros sinais que não estão escritos neste livro; 31 estes, porém, estão escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo tenhais vida em seu nome.