Evangelho de João Jo 1:1-18 Jo 1:19-39 Jo 1:35-51

Jo 1:35-51

35 No dia seguinte João estava outra vez ali, com dois dos seus discípulos
36 e, olhando para Jesus, que passava, disse: Eis o Cordeiro de Deus!
37 Aqueles dois discípulos ouviram-no dizer isto, e seguiram a Jesus.

Os dois discípulos (de João Batista) ouvindo o testemunho de seu mestre seguiram a Jesus.


38 Voltando-se Jesus e vendo que o seguiam, perguntou-lhes: Que buscais?
Disseram-lhe eles: rabi (que, traduzido, quer dizer Mestre), onde pousas?

Ao chamarem Jesus de Rabi (meu mestre) os dois implicitamente estavam se oferecendo
para seguir-lhe e serem seus discípulos.


39 Respondeu-lhes: Vinde, e vereis.
Foram, pois, e viram onde pousava; e passaram o dia com ele; era cerca da hora décima.

Os judeus começavam a contar as horas do dia a partir das 6 da manhã.
Hora décima equivale a 4 horas da tarde.


40 André, irmão de Simão Pedro,
era um dos dois que ouviram João falar, e que seguiram a Jesus.

Um dos dois que seguiram era André irmão de Pedro
o outro não diz o nome, mas possivelmente era João (autor do evangelho).


41 Ele achou primeiro a seu irmão Simão, e disse-lhe:
Havemos achado o Messias (que, traduzido, quer dizer Cristo).

André certamente achava que boas novas (evangelho) tão maravilhosas não deviam ser guardadas para si;
seus queridos deveriam saber.


42 E o levou a Jesus. Jesus, fixando nele o olhar, disse:
Tu és Simão, filho de João, tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro).

Tu serás chamado Cefas (Aramaico) ou Petros (grego) que quer dizer Pedro.
Pedro recebeu um novo nome para acompanhar o caráter novo que Cristo lhe daria.
Novo nome para Pedro: indica uma mudança de propósitos, uma nova identidade, como foi por exemplo para Abraão (antes Abrão - Gn 17:5) e para seu neto, Jacó (que se tornou Israel - Gn 32:28+).

Um "novo nome" para os seguidores de Cristo também pode ser visto em Ap 2:17.
Em Ap 19:12, vemos o verdadeiro significado e importância de se conhecer o nome - indica intimidade com aquela pessoa.


43 No dia seguinte Jesus resolveu partir para a Galiléia,
e achando a Felipe disse-lhe: Segue-me.
44 Ora, Felipe era de Betsaida, cidade de André e de Pedro.
45 Felipe achou a Natanael, e disse-lhe:
Acabamos de achar aquele de quem escreveram Moisés na lei, e os profetas:
Jesus de Nazaré, filho de José.

Felipe atende o chamado de Jesus.
Natanael é chamado nos evangelhos sinóticos de Bartolomeu (filho de Tolmai).


46 Perguntou-lhe Natanael: Pode haver coisa bem vinda de Nazaré?
Disse-lhe Felipe: Vem e vê.

A pergunta de Natanael deixa transparecer que Nazaré não gozava de boa reputação entre os outros galileus.
Havia certo preconceito para com a cidade.
Felipe simplesmente respondeu vem e vê.


47 Jesus, vendo Natanael aproximar-se dele, disse a seu respeito:
Eis um verdadeiro israelita, em quem não há dolo!

Verdadeiro israelita em que não há dolo em contraste com o pai da nação,
Jacó que posteriormente teve seu nome mudado para Israel.
As promessas feitas a Jacó em Betel (Gn 28:10-22) se cumprem em Cristo.


48 Perguntou-lhe Natanael: Donde me conheces?
Respondeu-lhe Jesus: Antes que Felipe te chamasse, eu te vi,
quando estavas debaixo da figueira.

Jesus realiza um sinal demonstrando possuir conhecimento sobrenatural.


49 Respondeu-lhe Natanael:
Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és rei de Israel.

Filho de Deus, Rei de Israel.
Qualquer dúvida que ele possuía desapareceu naquele instante.
Na verdade ele está aclamando Jesus como o Messias.


50 Ao que lhe disse Jesus: Porque te disse:
Vi-te debaixo da figueira, crês? coisas maiores do que estas verás.

Natanael seria confrontado com fato e sinais muito mais maravilhosos e conclusivos da verdadeira identidade de Jesus.
A conversão de Natanael tipifica a conversão de qualquer judeu que vence os imensos preconceitos contra o cristianismo, e crê em Jesus.


51 E acrescentou: Em verdade, em verdade vos digo
que vereis o céu aberto, e os anjos de Deus
subindo e descendo sobre o Filho do homem.

Relato tirado da visão de Jacó em Betel (Gn 28:12).
A visão de Jacó tinha o propósito de certificá-lo do interesse divino ao seu respeito.
O fato de que os anjos estavam subindo pode sugerir como sendo um convite de Deus para que Jacó se aproximasse e recebesse a ajuda necessária, a benção necessária.
Em João 1:51 parece que Jesus está declarando que por seu intermédio,
na verdade, o céu se abriu a todos quantos o queiram receber.